Fundamentos Doutrinários

 

Da Doutrina das Escrituras Sagradas – Cremos na plena inspiração divina e na inerrância dos manuscritos originais das Escrituras Sagradas, Antigo e Novo Testamento, formados por sessenta e seis livros que foram escritos por homens santos e da parte de Deus. Aceitamo-las como única regra de fé, suficiente e infalível da revelação de Deus em seu propósito redentor, e como única norma para nossa conduta aqui no mundo (Deuteronômio 4:2; 2 Timóteo 3:16; 2 Pedro 1:19-21).

Da Doutrina da Trindade – Cremos que há um só Deus na sua essência, mas que subsiste em três pessoas distintas, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo (Mateus 3:16, 17; 28:19; João 14:8-11; 1 João 5:7).

Deus Pai – Cremos em Deus Pai, pessoal, Espírito eterno, infinito, imutável e insondável em seu ser, onipresente, onisciente e onipotente, criador, preservador e consumador de todas as coisas (Salmo 139:7-12; Isaías 40:12-31; Romanos 1:20; Gálatas 3:26).

Deus Filho – Cremos que Jesus é uma pessoa, e que como Filho de Deus, hoje é nosso salvador, advogado e grande Sumo Sacerdote. (1 Timóteo 1:15; 1 João 2:1; Hebreus 9:23-28).

Deus Espírito Santo – Cremos que o Espírito Santo é uma pessoa, da mesma essência do Pai e do Filho, que o mesmo é nosso regenerador, consolador, que habita nos salvos desde o momento da conversão a Jesus Cristo, guiando-os na verdade e dotando-os de dons para o serviço no Reino (João 14:16, 26; João 16:8, 13; Atos 2:38; 1 Coríntios 12:11; Gálatas 3:2, 5,14,22; Efésios 1:13,14).

Da doutrina do pecado – Cremos que a pessoa humana está perdida, separada de Deus, e que a salvação é pela graça, mediante a fé, somente em Jesus Cristo (Salmo 51:5; Romanos 3:23; 6:23; Efésios 2:1-10).

Da doutrina do homem – Cremos que o homem foi criado por Deus, exatamente conforme a descrição em Gênesis, livre e responsável, com imagem e semelhança do Senhor (Gênesis 2:7-17; Salmo 139:13-18).

Da doutrina da alma – Cremos na imortalidade da alma, bem como na impossibilidade de que ela retorne a terra após a morte do corpo. Deus em sua soberania determinou ao homem morrer uma só vez, e após isso o julgamento, recebendo cada vida, uma sentença justa, mediante a fé em Jesus; Ou céu ou inferno será o seu destino (Jó 7:9, 10; Eclesiastes 9:5, 6; Daniel 12:2; Lucas 16:31; Hebreus 9:27).

Da doutrina do batismo – Cremos no batismo nas águas, após a profissão de fé, realizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como testemunho público e como símbolo externo da obra regeneradora operada interiormente pelo Espírito Santo, para a união no corpo de Cristo (Mateus 28:18-20; Atos 10:44-48; Gálatas 3:26, 27; Efésios 4:5; 1 Coríntios 12:12-14).

Da doutrina da segunda vinda de Jesus Cristo – Cremos na segunda vinda de Cristo, pessoal, física e visível, para a ressurreição dos mortos e para o arrebatamento da sua Igreja, sendo o dia, completamente impossível ser previsto pelo homem. Cremos no julgamento das nações e o estabelecimento do Seu Reino para todo o sempre, onde reconhecemos como novos céus e nova terra (Daniel 12:1-4; Mateus 24:27, 36-44; Apocalipse 21:1-8).

Da doutrina da salvação – Cremos na salvação eterna somente pela Graça de Deus mediante a fé no sacrifício expiatório de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, consumado na cruz (Lucas 19:10; João 14:6; Atos 4:12; Romanos 3:22-26).

Das manifestações dos dons espirituais – Cremos que todos os dons espirituais descritos na Bíblia são atuais, e que a Igreja deve exercitá-los dentro de sua finalidade única, que é a edificação da Igreja, mediante a distribuição e a santa direção do Espírito Santo, obedecendo às recomendações e princípios bíblicos (Romanos 12:3-8; 1 Coríntios 12 – 14; Efésios 4:11-16; 1 Pedro 4:10, 11).

Da Igreja – Cremos que a Igreja é o corpo de Cristo, fundamentada por Ele, Nele e para Ele, tendo assim total autoridade no mundo espiritual (Mateus 16:15-18).

A Igreja existe para ADORAR a Deus, vivenciar as mutualidades (uns aos outros) em seus relacionamentos e cumprir sua missão definida por Cristo em Mateus 28:19, 20. Cremos que a Igreja de Cristo é a única coluna e baluarte da verdade na terra (1 Timóteo 3.15).

 

Valores Práticos e Propósitos

A Igreja local deve manter-se fiel aos princípios da Palavra de Deus, e em todas as suas manifestações ser relevante e contextualizada.

A Igreja deve ser um local de ACOLHIMENTO E DE RESTAURAÇÃO da pessoa humana.

Cremos no sacerdócio de todo discípulo de Jesus, que possui autoridade e poder vindos do Senhor. Cada crente um ministro, um chamado, um servo.

Devemos primar pelo ENSINO DA PALAVRA DE DEUS a todas as faixas etárias, promovendo o crescimento e maturidade bíblica para todo discípulo de Cristo.

Devemos integrar na Igreja local os novos convertidos a Jesus Cristo, através do batismo nas águas, facilitando o descobrimento e a execução de seus dons espirituais.

Quanto aos membros oriundos de outras igrejas, serão integrados à igreja local através da instrução de membresia, e estes se comprometerão a respeitar a identidade e o estatuto da Igreja Cristã Evangélica Nova Vida, sendo recebidos publicamente diante da comunidade; de forma a poderem se engajar nos trabalhos, sonhos e projetos da igreja.

A Igreja deve manter uma visão de ação social ampla e relevante, testemunhando àqueles que precisam do amor operante de Cristo em nossas vidas e necessidades.

 

Compromisso de Membresia

O membro da ICE NOVA VIDA tem como compromisso: 

  • Respeitar a orientação pastoral e da liderança da Igreja
  • Colaborar com o máximo esforço para a unidade e crescimento da Igreja
  • Participar integralmente de um ministério da Igreja, desenvolvendo seus dons e edificando vidas.
  • Ser fiel com seus dízimos e ofertas para os serviços, sonhos e manutenção da Igreja.
  • Viver e verbalizar sua fé através de um testemunho coerente com o Evangelho, tendo a comissão dada por Jesus em Mateus 28:19, 20 como sua chamada pessoal
  • Honrar, respeitar e promover a identidade da Igreja.
  • Prestigiar as programações e atividades da Igreja
  • Acatar a disciplina quando necessária, como ato bíblico de amor e de restauração.
  • Manter sua situação civil regularizada
  • Comunicar à liderança as razões de sua ausência por mais de um mês, bem como o desejo de se transferir para outra igreja.

 

Posição da Igreja Cristã Evangélica Nova Vida, diante de alguns assuntos “polêmicos”

    1. Ordenação Feminina ao Pastorado ou Presbitério. Cremos que não existe respaldo bíblico suficiente para que se recebam mulheres ao pastorado de Igrejas Cristãs, no que compete a governar e presidir as igrejas. Percebemos que as evidências bíblicas apontam para outra direção (Jeremias. 3:15; Efésios 4:11; 1 Timóteo 3:1-7). Entretanto, entendemos o ministério feminino como fundamental no andamento da obra do Senhor em todos os segmentos tais como ensino, pregação, diaconato, visitação, aconselhamentos, etc. Apenas cremos que o governo da igreja, Deus, em sua soberana vontade, confiou ao homem, pensando numa melhor estruturação familiar quando a mulher exerce sua função de mãe (1 Timóteo 2.15) e auxiliadora do homem.
    2. Batismo com (no) Espírito Santo Cremos que, como uma promessa já cumprida, o Espírito Santo habita em todo aquele que crer (Joel 2:28, 29; João 16:7; Atos 2:38, 39; Gálatas 3:14).
      Cremos, mediante a Palavra de Deus, que existe apenas um só batismo (Efésios 4:3-6).
      Concordamos que as experiências com o Espírito são legítimas, inquestionáveis e reais, quando não contrariam princípios e propósitos estabelecidos pela Bíblia.
      Sobre as experiências pós-conversão, preferimos usar os termos “plenitude” (Efésios 3:19) ou “enchimento espiritual” (Efésios 5:18). Não entendemos que a Igreja de Cristo esteja dividida em dois grupos, aqueles que têm o Espírito e aqueles que ainda não têm o Espírito agindo em sua vida. Entendemos que esse pensamento contraria o propósito fundamental da Igreja de Cristo que é a unidade (João 17:20-23; 1 Coríntios 12: 13, 25; Efésios 4:1-3; Filipenses 1:27).  Reconhecemos sim, dons diferentes e com propósitos específicos de edificação da Igreja.
      Portanto, batismo com o (ou no) Espírito, assim como o Batismo em Cristo (Rm 6.13), são mistérios que ocorrem no momento do arrependimento e da conversão.
    3. Dom de línguas como evidência espiritual
      Cremos que o Dom de Línguas é autêntico e atual. Cremos, porém, que se trata de um dom, e conforme a Palavra de Deus, nem todos o terão, pois o Espírito distribui os dons conforme Ele quer para quem bem entende (1 Coríntios 12:4-31). Não vemos na Palavra, confirmações de qualquer dom evidenciar espiritualidade ou aprovação, mas sim, a necessidade clara de um caráter aprovado e uma vida íntegra e justa diante de Deus (Miquéias 6:8). Em Mateus 7:15-23, Jesus deixa claro uma advertência: ”tenham cautela…”. Ensina-nos que uma operação espiritual em si mesma, não evidenciará aprovação. Percebemos que os dons podem ser forjados, nos levando assim, a primar pelo caráter e pelos frutos.
      Concluímos que, o que evidencia uma pessoa “cheia”, tendo o Espírito agindo e operando em sua vida, é ter uma mente e coração transformado e regenerado, e não apenas evidenciar algum dom espiritual.
      Lembramos, portanto, que se esse dom fosse a maior evidência de uma vida cristã, Cristo seria aquele que, indispensavelmente faria uso e ensinaria sobre tal manifestação.
    4. “Doutrina da Prosperidade”
      Absolutamente cremos num Deus provedor que sempre sonha com o melhor para seus filhos. Contanto, sabemos que habitamos num mundo caído, e mesmo enquanto cristãos, sofremos as conseqüências disso (João 16:33). Não encontramos na Palavra, confirmações claras de que todo crente deverá ser rico, ou que nunca um verdadeiro cristão ficará enfermo (Salmo 23:4; Salmo 73:26; Romanos 8:36).
      A prosperidade é algo real, autêntico e bíblico, mas, dentro de uma perspectiva espiritual antes do material, e não o inverso.

Observações:
O intuito dessa identidade, não é formular estudos sobre o que cremos.
Nossa Identidade está dentro da visão, confissão de fé e estatuto da ICEB (IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA DO BRASIL), denominação que fazemos parte e a quem somos submissos enquanto liderança.
Confirmações em exaustivos estudos bíblicos, além de simpósios e conferências, momentos de oração e renúncia diante do Senhor, por homens santos e dependentes do Espírito, já existiram para que chegássemos às conclusões registradas.
Nossa identidade, apenas nos conduzirá de forma clara e coerente sobre o que cremos e pensamos.

 

A Administração e Liderança

A ICE NOVA VIDA é uma Igreja autônoma, regida pelo seu estatuto, e administrada pela suas lideranças, assim divididas:

Pastor – Presidente da Igreja. Responsável legal sobre todas as atividades da Igreja. 

Conselho de Presbíteros – Responsável pela área espiritual e doutrinária da Igreja.

MEAL (MESA EXECUTIVA E ADMINISTRATIVA LOCAL)Responsável pela área administrativa e física da Igreja, bem como contábil e patrimonial.    

Junta Diaconal – Corpo de diáconos responsável pela área solidária. Assistindo as necessidades e urgências da Igreja.

Liderança de Ministérios – Responsáveis pelo funcionamento da Igreja e pela integração dos membros conforme seus dons.

Somos uma Igreja sob o regime CONGREGACIONAL PARTICIPATIVA, onde se tem por autoridade máxima, a assembleia de membros.

As eleições e decisões são tomadas nas Assembléias Ordinárias (uma vez por ano) e Extraordinárias (quando necessárias).

Pertencemos a uma Denominação (IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA DO BRASIL – ICEB), e esta, por sua vez, é administrada por uma MESA EXECUTIVA E ADMINISTRAVA NACIONAL (MEAN), eleita em concílio. Da mesma forma, as regiões possuem a MESA EXECUTIVA E ADMINISTRATIVA REGIONAL (MEAR) que supervisionam e fortalecem as Igrejas nas suas respectivas regiões, no nosso caso, MEAR PLANALTO.

 

Nossa Denominação

Igreja Cristã Evangélica do Brasil (ICEB)

Breve Histórico

Descobrir as origens da Igreja Cristã Evangélica do Brasil (ICEB) é como descobrir a fonte de um rio. Em geral, muitas fontes contribuem na formação de um rio, cada uma fornecendo a sua quota de água. O mesmo se deu com o início da ICEB.

A origem mais remota é de alguns crentes em Toronto, Canadá, que em 1895 se organizaram com o objetivo de evangelizar a América do Sul, tendo enviado alguns missionários para a Argentina. Mas ouviram do Brasil um apelo macedônico e eles mandaram Sr. Witte, Dr. Graham e esposa e Anne Andrews, que chegaram a Carolina, MA. Percebendo a falta de hospital e escola, dedicaram-se ao exercício dessas tarefas, além de evangelizar o povo, incluindo visitas na aldeia dos índios Xerentes, às margens do rio Tocantins.

A ICEB, porém, começou com um outro canadense, o leigo Reginaldo Young, que trabalhava na Cia. de Mineração S. João Del Rei, em Morro Velho, MG. Ao testemunhar acerca da nova vida, conquistou para Jesus o jovem engenheiro Frederico C. Glass, que se lançou à tarefa de evangelização com toda energia que lhe era peculiar.

Young, consagrado homem de Deus, foi responsável pelo começo do trabalho em São Paulo, que originou na Igreja Cristã Paulistana, a 1ª igreja da ICEB, fundada em 25 de agosto de 1901. Ele também fundou um Instituto Bíblico, onde Ricardo do Valle, Artur L. Tavares, Galdino e outros estudaram. Os primeiros seguiram para Goiás a fim de pastorear os pequenos grupos de crentes e continuar a obra de evangelização.

A firmeza do Sr. Young, aliada ao espírito pioneiro do Sr. Glass resultou numa expansão admirável do evangelho para os estados de Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Goiás.

O Sr. Glass transformou-se em destemido colportor e deu início às suas famosas expedições com a Bíblia pelo Brasil. Auxiliado pelos obreiros nacionais Ricardo José do Vale e Joaquim Portilho, estabeleceu as igrejas em Catalão (1902) e Santa Cruz, GO(1904). Esta, por causa das perseguições, foi transferida para Gameleira, hoje Cristianópolis, cidade edificada em terreno doado pelo fazendeiro convertido ao evangelho, Sr. José Pereira Faustino. Em 1906, o Sr. Glass foi com sua família morar em Goiás (a antiga capital), onde fundou a igreja. Ele vivia em constantes viagens no trabalho de colportagem, tendo alcançado vários estados brasileiros e países da América do Sul.

Em 1904, a “The South American Evangelization Mission” (A Missão Evangelizadora da América do Sul), sob a liderança do Pr. Bryce Ranken, após transferir a sede do campo de Buenos Aires para São Paulo, teve enorme influência sobre o avanço da ICEB. Ele consolidou a Igreja Cristã Paulistana e estruturou a missão. Sob sua segura liderança, as igrejas se fortaleceram e a evangelização teve impulso. Foram incorporados os obreiros Morris Bernard (com fecundo ministério entre nós), Naphtali Vieira (pastoreou a ICE Catalão), Anne Andrews (fundou a ICE de Jacareí), Archibald Macintyre e sua esposa Dª. Margarida (além de solidificar a ICE de Goiás, fundou a ICE de Palmeiras de Goiás com a ajuda do irmão Damião e por quase meio século desbravou os sertões de Goiás pregando o evangelho). Em 1915, Sr. Ranken e sua esposa Dª. Elizabeth fundam a ICE de São José dos Campos, SP.

Em 1911, com a fusão da missão Regions Beyond Missionary Union e da South American Evangelical Mission, nasce a UESA (União Evangélica Sul Americana). Em 1913, incorporou-se à UESA a Help for Brazil Mission que tinha sido fundada pela viúva do primeiro missionário para o Brasil, Dr. Roberto R. Kalley. A UESA exerce destacado papel na vida da ICEB, absorvendo os obreiros em atividade e no envio de muitos outros, como: Archibald e Bonina Tipple, Dr. James e Daisy Fanstone, Josias e Rettie Wilding, Arthur W. Archibald e Mildred Anna, Oliver e Dorothy Thomson, W. Ben Forsyth, Tom e Rénne Macintyre, Henry e Betty Bacon, John e Ann Barnett, entre outros.

Em junho de 1942, a ICEB, por mediação da UESA que cooperava com as duas alas denominacionais, passou a integrar a União das Igrejas Evangélicas Congregacionais e Cristãs do Brasil (UIECCB). Esta parceria durou até janeiro de 1968. Ao desligar-se da UIECCB, a ICEB formou duas denominações: a ICEnB, composta pelas igrejas de Goiás e a ICEB, integrada por igrejas de São Paulo e Brasília.

Em 1973 foi firmado Modus Vivendi entre as duas alas, que assegurou a cooperação mútua, permitindo unificar a Revista de Escola Dominical, a Convenção Espiritual e o Jornal denominacional.

– Nova fase da ICEB

Em fevereiro de 1979, em concílio constituinte, aconteceu a sonhada fusão denominacional. Na época a ICEB era formada por 68 igrejas e 48 pastores. Hoje são 308 entre igrejas, congregações e campos missionários distribuídas em 18 estados e mais o Distrito Federal e 571 obreiros(as) entre pastores, educadoras cristãs e missionários(as).

Dentre as prioridades para as igrejas filiadas à ICEB, destaca-se a conquista de vidas para Jesus. Para atingir este fim, a liderança denominacional tem desafiado as igrejas por meio de seus pastores, líderes e membros, para que concentrem esforços na evangelização, cumprindo o imperativo de Atos 1:8.

– O Alvo é que a ICEB cresça:

  1. a) Na membresia das igrejas locais.
    b) No envio de missionários(as) para missões urbanas e transculturais.
    c) Na abertura de novas igrejas.

Na consecução destes objetivos, a denominação deverá chegar aos estados aonde ainda não há igreja, como aconteceu recentemente em Santa Catarina e Paraíba, além de fortificar a sua presença em vários estados. Graças a Deus este avanço está acontecendo paralelamente ao envio de missionários para a Europa, África, América do Sul e Ásia. Embora os alvos da ICEB sejam grandes, é preciso considerar que Deus é infinitamente maior. Ele tem sido fiel e gracioso com a ICEB por mais de 100 anos, gerando uma igreja madura, com perfil doutrinário saudável, bíblico e contextualizado. Por isso, empregamos tudo que temos e somos no avanço do Seu Reino aqui na terra.

Nos últimos anos, como fruto da integração, a ICEB teve sua estrutura denominacional solidificada. A união possibilitou empregar mais recursos humanos e financeiros nos pilares:

  1. Formação teológica: Seminário Teológico Cristão Evangélico do Brasil (SETECEB) com os seguintes cursos: Básicos p/ Líderes, Teológico de nível médio, Bacharelado em Teologia, Educação Cristã e Missiologia; Pós-Graduação e Mestrado.
  2. Educação Cristã: Editora Cristã Evangélica que produz revistas para todas as faixas etárias da EBD e material para o culto infantil. Mercê de sua qualidade gráfica e literária, merecido a preferência de mais de 9.000 igrejas de 140 denominações diferentes.
  1. Evangelismo: através de Campanhas e Impactos de Evangelização, Projeto Férias para Jesus, Conferências e Cruzadas.
  2. Missões Nacionais e Transculturais: enviando missionários para plantar igrejas em vários estados brasileiros e evangelizar tribos indígenas e paises: Uruguai, Venezuela, Portugal, Índia, Marrocos, Guiné Bissau e Moçambique.
  3. Obra Social:
    1. Instituto Cristão Evangélico de Goiás(ICEG), em Anápolis-GO. 55 anos de
      funcionamento. Abriga e presta assistência integral a mais de 180 crianças e
      adolescentes.
    2. Associação de Cristãos Evangélicos em Defesa da Vida (ACEDEVIDA), em
      Goiânia-GO. 12 anos de atividades.
      Unidade I – Prevenção: atende meninos e meninas em situação de risco.
      Unidade II – Recuperação: em regime de internato, no sistema de casa-lar, para menores de rua.
    3. Associação Missionária de Apoio ao Idoso(AMAI), em Anápolis-GO. 3 anos de
      atuação. Atende pessoas da melhor idade com várias atividades educativas,
      recreativas e espirituais.
    4. Éden-Lar das Crianças, em São José dos Campos-SP. 71 anos de atividades.
      Atende crianças carentes e seus familiares em 2 unidades prestadoras de
      serviços de assistência e desenvolvimento social.

 

“A igreja está sujeita a Cristo”
Efésios 5:24